logo RCN
Dengue

MPSC investiga se houve negligência médica em morte de criança por dengue em SC

  • Foto: Arquivo Pessoal, Reprodução -

O MPSC (Ministério Público de Santa Catarina) instaurou uma notícia de fato para apurar se houve negligência médica no atendimento a uma menina de 4 anos que morreu por um quadro de dengue grave, em Barra Velha.

A família alega que a menina Sofia Emanueli Ribeiro Pereira estava com dengue grave e não recebeu atendimento adequado na unidade de pronto atendimento 24 horas da cidade.

Segundo consta na notícia de fato, a menina teria sido atendida em três ocasiões e liberada para retornar para casa. Após a última consulta, ela morreu devido a complicações associadas à doença.

A 1ª Promotoria de Justiça da Comarca de Barra Velha solicita que a Secretaria Municipal de Saúde envie, no prazo de 48 horas, cópias de toda documentação referente aos atendimentos prestados à criança e forneça nome e cargo dos profissionais responsáveis pelos atendimentos.

O MPSC ainda pede que o Hospital e Maternidade Jaraguá, em Jaraguá do Sul, para onde a criança foi transferida e veio a óbito, faça a apresentação de cópias do prontuário médico referente ao caso da menina. O hospital tem o prazo de 48 horas para o envio da documentação.​


Também foi solicitado que a Delegacia de Polícia da Comarca de Barra Velha instaure um inquérito policial para a apuração dos fatos, no prazo de cinco dias.

O Promotor de Justiça Renato Maia de Faria, titular da 1ª Promotoria de Justiça, destacou que o MPSC busca a completa elucidação dos fatos e a devida responsabilização dos envolvidos.

“O município de Barra Velha tornou pública a informação de que está promovendo a instauração de uma sindicância para averiguar os eventos em questão. Contudo, não impede a notícia de fato, uma vez que outras medidas são imprescindíveis e urgentes”, afirma.

A prefeitura também confirmou à reportagem que o prefeito já pediu o afastamento do médico até finalizar a sindicância.
Relembre o caso

Segundo a mãe de Sofia, Ana Maria, ela buscou atendimento três vezes no local. A primeira foi na última segunda-feira (25), quando Sofia apresentou febre de 39.7ºC. “Corri com ela pra lá e deram ficha laranja, tinha que ser atendida em 10 minutos, mas esperamos muito”, conta.

Em casa e já no dia seguinte, a família decidiu fazer o exame de dengue particular em uma farmácia, que deu positivo. Além disso, seguiram o tratamento com suplementos e vitaminas. A mãe, porém, percebeu que a garota continuava muito inchada e retornou à unidade.

Sofia faleceu no hospital neste domingo (31). Na certidão de óbito, há a confirmação de que uma das causas da morte foi dengue D, o tipo mais grave da doença, além de insuficiência renal aguda e choque hemorrágico.

Segundo a mãe, o sentimento é de injustiça. “Eu confiei no médico. Um exame ele podia ter salvo minha filha. Deveria ter pedido um exame para saber a gravidade da dengue. Era isso que precisava para interná-la”, desabafa.

Fonte ND+

Cobra venenosa invade ônibus escolar em SC Anterior

Cobra venenosa invade ônibus escolar em SC

Início da colheita do pinhão tem previsão de aumento na safra Próximo

Início da colheita do pinhão tem previsão de aumento na safra

Deixe seu comentário