Daniel Reiberg, da localidade de Rio da Anta foi indicado para disputar a Copinha. (Foto: Arquivo Pessoal)

Um jogador terezinhense, de 19 anos, está integrando à equipe do Aliança do Ceará, na Copa São Paulo de Futebol Júnior. Daniel Reiberg, da localidade de Rio da Anta foi indicado para disputar a Copinha.

Publicidade

A carreira esportiva do jovem teve início em dezembro de 2012, onde ocorreu, em Rio do Campo, a seleção para o clube Atlético de Ibirama. A peneira, como é chamada a seleção, foi feita por Kardeke Ramos, que na época montou a base.

Daniel começou jogando no gol depois da 8ª série “Antes eu jogava de atacante, cheguei a jogar o Moleque Bom de Bola, que é uma competição escolar, mas fiz a peneira como goleiro. Cheguei na posição de goleiro porque apesar de ser novo, já tinha uma altura muito boa para a posição e em alguns jogos que ocorriam na comunidade eu jogava no gol”, relembra.

Entre 2013 e 2015, o terezinhense integrou o Atlético de Ibirama e depois teve uma breve passagem pelo Caçadorense Atlético Clube de Caçador. Daniel fez teste também no Clube Atlético Tubarão, onde permaneceu por três meses. “Em 2016, subi para o profissional do Atlético Tubarão e conseguimos o acesso para a série A do Catarinense”, destacou Reiberg.

“Em 2017 fui para o Concórdia e logo após para Minas Gerais disputar algumas competições com a equipe do Ouro Fino. Depois disso, em agosto de 2017 surgiu a oportunidade de fazer parte da equipe do Aliança do Ceará. Fui indicado a fazer parte da equipe porque o time do Aliança estava montando o time para disputar a Copa SP. Fui indicado por um amigo meu chamado Lucas Henschel. Eu e Lucas já tínhamos jogado juntos no Atlético de Ibirama, em 2013, e voltamos a jogar juntos agora”, explica.

Foto: Arquivo Pessoal

O jovem jogador conta que foi uma sensação muito boa saber que iria disputar a Copa São Paulo, porque era um de seus sonhos de criança “Sempre assistia a Copa com os meus pais e tinha o sonho de poder jogar um dia também. É um sentimento muito bom, de sonho realizado. Fizemos boas partidas, vencemos o América-RN, infelizmente não conseguimos a classificação para a segunda fase, sabíamos desde o começo que seria difícil, por termos caído em uma chave com equipes de camisa, uma chave forte e bastante disputada, mas nosso desempenho foi bom, realizamos bons jogos”, comenta.

Foto: Arquivo Pessoal

Para Daniel, a Copinha deixa marcas positivas em sua vida “Foi uma experiência muito boa poder participar de uma competição tão visada no mundo todo, de poder jogar contra equipes de peso na maior competição de base do país. Algo que tem a somar muito na minha vida não só profissional, como pessoal. Também ter a oportunidade de ter um jogo transmitido para o Brasil todo. Nossa partida contra o Santos foi transmitida pela televisão, então só levo coisas positivas, experiências, entre elas poder contribuir como capitão da equipe”, afirma.

Foto: Arquivo Pessoal

Daniel comenta que a rotina de um jogador, não só de base, mas também profissional, é bastante trabalhosa. “Não tem final de semana, nem feriado. Muito treino, muita concentração para que na hora do jogo possa fazer as coisas da melhor forma possível. Mas depois todo esforço é recompensado quando entra no campo, porque você se preparou para o momento. Você faz as coisas com o máximo de tranquilidade por ter concentrado e trabalhado para fazer aquilo na hora do jogo”, explica.

Foto: Arquivo Pessoal

Reiberg conclui deixando um incentivo a quem está ingressando na carreira esportiva “Nunca desista, corra atrás do seu sonho, pois é possível realizar. É muito trabalho, é preciso abrir mão de algumas coisas, mas no final tudo vale a pena por realizar e conquistar o que sonhou”, finaliza.

COMPARTILHAR